Chef Renato FreireNascido em Boa Esperança-MG, Renato Freire é cozinheiro autodidata. Formou-se em Engenharia Química e Economia e, na década de 1980, estagiou em restaurantes no Rio de Janeiro, misturando o estudo das ciências com o legado culinário de sua família Mineira.

No final da década de 1980, depois de diversos cursos e estágios na área de restaurantes, Renato, revelou ao público o resultado de seu trabalho científico, que, claro, só podia ser dentro da área que ele mais entendia: alimentação. Escreveu e publicou “A Mágica da Cozinha”, um livro simples e ao mesmo tempo inovador onde ele brinca com os sabores, apresentando receitas “falsas ou fingidas” e pratos onde os ingredientes caros e raros são substituídos por outros mais comuns e baratos. Reunindo de maneira inédita uma coleção de receitas de falsos sabores.

À época do lançamento do livro, o jornalista Sergio Augusto do jornal A Folha de São Paulo decreta: “Renato Freire pode-se proclamar o primeiro Chef do fake ou o Lenôtre da “Cuisine Menteuse”.

Apadrinhado pelo grande escritor Filólogo e gourmet Antonio Houaiss que fez a orelha do livro tecendo loas ao trabalho, o livro foi lançado com grande sucesso e repercussão.

Renato antevia um modismos que só iria florescer um quarto de século depois.

Em meados do ano de 1990, com apenas algumas cartas de recomendação e indicações de Chefs e restaurantes, Renato partiu para a Europa pensando em ficar uma temporada, estagiando, pesquisando, estudando e certamente degustando os mais variados pratos e ingredientes do mercado Europeu. Ele pensava de início, passar uma temporada na França, Itália, Portugal e Espanha. Mas o destino o levou por outro caminho.

Numa visita ao primo, o pianista Nelson Freire, na Holanda, teve a sorte de ser convidado para chefiar a cozinha do Rio 40 Graus, restaurante Brasileiro situado em Den Haag, cidade residência da então Rainha Beatriz e sede do Parlamento e de todas as embaixadas estrangeiras. Seu trabalho foi logo reconhecido e o restaurante passou a ser destaque na mídia, arrebatando uma clientela eclética e a procura de aventuras gastronômicas.

Após um ano e meio no Rio 40 Graus, o desejo de trabalhar com outros diferentes tipos de cozinha o levou, ao Promenade Hotel, estabelecimento de primeira linha de 5 estrelas, e famoso por seus restaurantes, festas e eventos. Lá, Renato foi Sous Chef do Bistrô Flaneur e, depois foi promovido a Chef Pâtissier do La Cicogne, o restaurante francês mais importante do Hotel e um dos mais conceituados do país. Tempos depois, ele já era o Guarde Manger de todo Hotel, podendo exercitar mais seu talento criador e também fazer um intercâmbio com inúmeros grandes chefs, como Marc Meneau, Paul Prudhomme’s, entre muitos outros de diversas nacionalidades como por exemplos Chefs da Hungria, Tailândia, Japão, etc...

Com a reformulação da área de Food & Beverage do Hotel, Renato foi novamente promovido, desta vez para Chef da Tratoria Dell’Arte, onde chamou a atenção da mídia gastronômica Holandesa pela sua criativadade, foi eleito em 1995 pela revista especializada Misset-Horeca, um dos “trends” Chef da Holanda.
Pelas mãos do Chef Dânio Braga, retorna ao Brasil para ser o chef executivo do Restaurante Apollinari aberto em São Paulo em maio de 1997. Onde unia as técnicas tradicionais da culinária italiana com produtos Brasileiros.
No ano 2000, novamente com apoio de Dânio Braga, partiu para o Rio de Janeiro, onde passa a comandar todo um projeto de revitalização da antiga e tradicional Confeitaria Colombo, que à época, ainda  passava por um longo período de decadência. Com garra, determinação e amor pela tradição desta casa centenária, o Chef usou seus conhecimentos e força de trabalho para em pouco tempo tirar a casa da má situação e recoloca-la como um dos principais centros gastronômicos do Rio de Janeiro.

Seu faro de pesquisador o levou a reviver inúmeras receitas tradicionais da centenária casa que haviam se perdido ao longo do tempo e também foi capaz de criar inúmeros produtos de acordo com o perfil da casa e que foram objetos de diversos prêmios dos principais órgãos de imprensa especializada.
Renato Freire também se dedicou aos estudos de vinhos, formou-se na ABS ( Associação Brasileira de Sommeliers) onde depois de formado, passou a ser professor dando aulas sobre Harmonizações de Comidas e Vinhos, como também do curso o Uso de Vinho na Cozinha.

Bocuse d'OrFoi integrante da diretoria da ABAGA ( Associação Brasileira da Alta Gastronomia), foi professor de gastronomia na UNIRIO, participou como jurado em diversos concursos de Chefs profissionais no Brasil e em 2001 foi o representante do Brasil no júri do mais importante concurso mundial da Alta Gastronomia, O Bocuse D’Or em Lyon na França no ano de 2001.

Fora os trabalhos diretamente envolvidos na produção culinária, Renato Freire foi autor de diversos livros de gastronomia. Ele também participou ativamente de inúmeros programas de televisão, cursos e palestras no Brasil e no exterior.

Atualmente Renato Freire voltou a residir na sua cidade natal, onde abriu recentemente um Ateliê Gastronômico que funciona para atender pequenas confrarias e jantares com cardápios exclusivos, onde o Chef ministra jantares/show onde prepara à vista dos comensais diversos pratos utilizando basicamente produtos naturais, orgânicos e localmente produzidos.

Depois de todas estas experiências de vida, Renato agora procura meios de ajudar seus conterrâneos a valorizar mais a gastronomia, com ênfase na valorização dos produtos e produtores da cidade e da região.

Mais nesta categoria: Receitas do Chef Renato Freire »